CLOVIS AOS PÉS DO HOMEM

  Outubro  de 1997, quando estive, realmente,  aos  pés  do  homem, em Brasília,  foto: Zequinha

Como não sou nenhum Tião Carreiro, mas toco meus pagodinhos, ofereço ao visitante esta

música para ler e cantar.

 

AOS PÉS DO HOMEM – (Querumana)

(Tião Carreiro – Geraldinho)

(A Majestade o Pagode - Tião Carreiro e Pardinho -1988 -)

Cifrado por Clóvis Bittencourt

B F# B E F# B

 

B                                 A                          G#m                               F#                                          

Deixei distante a família pra vir à Brasília senhor presidente

                                                                                                                      B          

Conduzido por um tema de um sério problema que acaba com a gente

                                                                                                                     F#

Minha bagagem é o fracasso mas trago um abraço dos amigos meus

E                            F#                                                              B

Deixei toda santaiada e fiz a jornada pra falar com Deus.

 

F# B

B                                  A                              G#m                             F#

Por não marcar audiência com sua excelência se eu for barrado

                                                                                                                                 B

Alguns dos seus constituintes que são meus ouvintes transmitam o recado

                                                                                                                 F#

Não peço terra de graça mas que algo faça pra isso é que eu venho

E                               F#                                                                       B               

Por uma ajuda de custo não sei se é justo perder o que eu tenho

 

B F# B E F# B

B                                        A                  G#m                             F#                  

Quando eu colhi meu café eu pensei até em ser bom começo

                                                                                                          B

Mas quando foi tabelado eu fui obrigado a vender no seu preço

                                                                                                                 F#

Somente as terras que haviam dei por garantia num financiamento

E                                 F#                                                              B                                                        

Foi quando veio a geada na área plantada colhi dez por cento

 

F# B

B                                      A                             G#m                           F#

O banco quer minhas terras já tombei na guerra da luta roceira

                                                                                                                    B

Para salvar meu futuro que o senhor procuro por minha trincheira

                                                                                                                   F#

Mesmo o gerente do banco mostrava ser franco e meu grande amigo

E                                     F#                                                     B     

Com essa guerra maldita agora ele evita de falar comigo

 

B F# B E F# B

B                               A                         G#m                                  F#    

Minha herança da roça é esta mão grossa que trago por prova

                                                                                              B

Creio senhor presidente ser eficiente a república nova

                                                                                                       F#

Pensava em ser tão feliz de tudo eu fiz pra não perder o nome

E                                   F#                                                                   B     

Mas minha fé me alicerça com essa conversa aos pés do homem.

 

B F# B